Como a vacina Tdap protege você e seu bebê

2019-01-18 Off Por Rafael Souza

Tomar a vacina Tdap na gravidez não é apenas seguro, é recomendada! Ela protege você e seu bebê contra problemas como a tosse convulsa ou coqueluche.

Você está se policiando no que diz respeito à sua dieta, mantendo-se ativo com exercícios leves e tendo boas noites de sono, mas você sabia que uma das ferramentas consideradas mais importantes pelos médios para se manter saudável durante toda a gravidez é ter certeza de que você está em dia sobre suas vacinas ? Fale com seu médico sobre a vacina contra o tétano, difteria e coqueluche (Tdap) durante toda a gravidez para trazer segurança seu bebê contra tosse convulsa, uma infecção muito grave que já causou surtos recentes em todo o mundo e pode até mesmo ser fatal para os bebês. Aqui estão algumas perguntas comuns sobre esse assunto, e as respostas, claro.

Como a vacina Tdap protege você e seu bebê

Preciso da vacina Tdap quando estou grávida?

Sim,  com certeza! todas as futuras mamães devem receber logo a vacina Tdap quando entra no terceiro trimestre (entre a 27ª e a 36ª semana) para garantir a sua saúde e a saúde de seus futuros bebês.

Por que as mulheres grávidas devem receber a vacina Tdap?

Quando você recebe a vacina Tdap durante a gravidez, ela ajuda a evitar que seu bebê tenha tosse convulsa e coqueluche, através do processo de imunidade passiva, imunidade transmitida de mãe para filho. Isso é realmente importante para a saúde, porque se um bebê pegar coqueluche na fase recém-nascido, ela pode ser sim fatal, e os bebês não podem ser protegidos pela vacinação até os dois meses de idade.

Os recém-nascidos são os que têm uma maior chance de serem hospitalizados e até mesmo morrem de tosse convulsa. A vacinação passa os anticorpos necessários para o seu bebê, para que ela tenha uma proteção efetiva até que ela possa ser vacinada. As crianças devem tomar pelo menos cinco doses da vacina contra difteria, tétano, coqueluche (DTaP) aos 2, 4, 6 e 15-18 meses de idade, seguidas por outras com idades entre 4 e 6 anos.

Quais condições a vacina Tdap protege as mulheres e seus bebês?

A vacina Tdap protege contra três doenças muito graves: tétano, difteria e coqueluche.

Tétano: Também chamada de “mandíbula de bloqueio”, o tétano é uma condição gerada por uma perfuração ou mesmo um corte profundo que leva invasão de uma infecção bacteriana. Embora seja hoje em dia muito raro devido às vacinas, leva ao aperto dos músculos da face e também do pescoço, atrapalhando a abertura da boca ou até mesmo o processo respiratório das pessoas. Tem um índice de fatalidade alto, sendo fatal em 1 em cada 10 pessoas que pegam a infecção, mesmo aquelas com cuidados médicos de alta qualidade.

Difteria: A difteria faz com que um revestimento mais espesso que o comum se forme na parte de trás da garganta, atrapalhando a respiração. Embora seja hoje em dia bem raro por causa das vacinas, pode gerar insuficiência cardíaca e até mesmo paralisia. Estima-se que 1 em cada 5 crianças com a condição acabam falecendo.

Coqueluche: A coqueluche gera tosse intensa, vômitos, problemas respiratórios, dificuldade para dormir e pode ser até mesmo fatal. A vacina protege de forma eficiente seu bebê contra esta condição que pode ser letal, que pode pegar recém-nascidos antes que eles consigam receber a vacina DTaP, o que pode ocorrer a partir dos 2 meses de idade. Os recém-nascidos são os mais propensos a ter tosse convulsa e morrer com isso.

A vacinação em todo o território nacional diminuiu a quantidade de pessoas que contraem essas doenças. Antes de a vacina estar disponível em toda rede pública, 200.000 pessoas por ano eram portadoras de coqueluche e difteria, e centenas contraiam o tétano, e muitas vezes, com um diagnóstico médico atrasado.

Porém, a coqueluche ainda é considerada comum, já que a vacina não protege a mãe por muito tempo. É por isso que é tão importante que as mulheres grávidas recebam a vacina Tdap durante cada gravidez.

Quando as mulheres grávidas devem receber a vacina Tdap?

As mulheres grávidas devem ir atrás de receber a vacina Tdap entre 27 e 36 semanas de cada gravidez, durante a primeira parte da gravidez. Se por acaso você está em uma área onde um surto de tosse convulsa já ocorreu ou mesmo está ocorrendo atualmente, ou se você sofreu um corte profundo em sua pele mesmo um pouco antes da gravidez, é hora de um reforçar sua vacina de tétano, você pode obter a vacina ainda mais cedo.

Adultos e crianças de 11 anos ou mais também devem se certificar de que estão em dia com a vacina Tdap para criar um “casulo” de proteção contra a coqueluche quando seu bebê for mais vulnerável.

A vacina Tdap é segura durante a gravidez?

Sim, com certeza. A vacina Tdap é segura para você e também para seu bebê na gravidez. Você pode passar por alguns efeitos colaterais mais leves, incluindo dor no local do vacina, vermelhidão, dores no corpo, dores de cabeça, febre baixa, náusea, calafrios e também cansaço. Reações graves como desmaios, episódios dor intensa e sangramento são extremamente raras.

Com que frequência as mulheres grávidas e outros adultos devem receber o Tdap?

As mulheres grávidas devem tomar uma dose de Tdap no começo de cada gravidez. Mulheres adultas que não estão grávidas só precisam de uma dose de Tdap durante toda a vida. Todos os adultos (inclusive os homens) devem receber um reforço Td a cada 10 anos.

E se você já recebeu a vacina Tdap antes de engravidar – você ainda precisa dela?

Sim, com certeza, mesmo se você já tomou a vacina antes de engravidar, você deve receber novamente no terceiro trimestre de cada gravidez.

Se você está preocupado com a segurança e eficiência da vacina Tdap durante a gravidez, não se preocupe. É realmente segura, é uma maneira inteligente de proteger seu filho (que você vai amar mais que tudo?) do risco real de coqueluche, quando ele está na parte mais vulnerável da vidA. Converse com seu médico sobre a vacinação.

Ah, você já sabia que existe um curso de paternidade responsável?

O curso de Paternidade Responsável Vou ser Pai é totalmente voltado para o pai, abordando os principais aspectos que envolvem a sua vida e o relacionamento com a mulher, desde a gravidez, até os primeiros meses de vida do bebê. Além disso, ao término do curso, o pai estará apto a realizar as principais tarefas relacionadas ao bebê (trocar fraldas, roupas, dar banho, curar umbigo e etc). O curso é válido ainda para a extensão da Licença Paternidade, de 5 para 20 dias, conforme determina o art. 38 da Lei 13.257/16. (Para funcionários de Empresas Cidadãs). Atualmente o curso é oferecido para pessoas físicas, grandes empresas, instituições de ensino, hospitais e maternidades. O fundador e instrutor do curso é Fernando Dias. Pai de 2 filhas, Duda e Gabi, Administrador de Empresas, com pós-graduação em Previdência Complementar pela PUC/MG e em Gestão de Projetos pela Fundação Dom Cabral. Atualmente é executivo no segmento de previdência privada. Para se inscrever, entre aqui.